Qual o app? – VSCO Cam

E vamos lá pra mais uma indicação de aplicativo, e a bola da vez é o tão falado VSCO Cam.
Como dito anteriormente, eu não tô aqui pra explicar como usa cada um deles, mas sim pra dizer quais aplicativos eu mais uso – afinal de contas, é essa a maior das perguntas: qual o app?

Mas como não dá pra falar de um app sem dar um “curso básico” e ligeiro, sempre acabo falando mais ou menos como que brinca com cada um deles. Mas repito, a melhor escola é você deitar na sua cama, sentar no seu sofá ou quando der aquela ida básica ao banheiro e ó: fuçar, fuçar e fuçar. Quanto mais testes você fizer e em diferentes tipos de fotos, mais você vai entender e mais você vai perceber no que aquele aplicativo é útil e no que não é. Reforçando aquela ideia do post anterior: apesar de grande parte dos aplicativos terem algumas ferramentas iguais, as respostas e rendimentos delas são diferentes, portanto, vale a pena observar no que cada um é melhor, ok?

O VSCO Cam é um aplicativo completo e tem tanto pra Android quanto pra iOS. Se eu não me engano ele é de graça, porém, para ter a maioria dos filtros você tem que pagar por pacotes. Sempre vale a pena aquelas “promoções” que eles colocam um monte de pacote junto e misturado, mas se você quiser ir adquirindo aos poucos cada um deles, também rola. Vai que você não gosta né? Pelo menos o prejuízo será menor hehe.

Foto 20-04-15 23 54 19

O aplicativo também é quase que uma rede social, ele tem um lugar para você criar um perfil e postar suas fotos lá (VSCO Grid)… aí seu endereço fica sendo algo como: seunome.vsco.co. Aí diariamente ou semanalmente (não me recordo), eles selecionam algumas fotos e deixam em destaque na rede deles… mas seilá, já selecionaram algumas minhas algumas vezes mas nada aconteceu. Bom pra quem sabe alguém diferente ver uma foto tua por aí, mas…

Foto 20-04-15 23 55 12

Indo para a parte funcional da coisa, o VSCO é bem completo e tem inúmeros pacotes de filtros, todos divididos por siglas que vão de 01, 02, 03 a A1, A2, C1, C3 e até X alguma coisa. Meio complexo de decorar mas tudo tem uma uniformidade interessante. Cada coleção de letra é baseada em um padrão de cor/tratamento – o que talvez facilite um pouco mais você decorar qual gosta mais. Particularmente sou bem fã da séria A e da série C. Algumas vezes também uso os da série S e os da série B. Isso resume o meu uso.
Cada filtro escolhido dá para escolher a intensidade dele clicando novamente nele (como o próprio aplicativo do Instagram mesmo).

Foto 20-04-15 23 55 59Foto 20-04-15 23 56 14

Fora isso, ele também tem as ferramentas básicas de edição, como brilho, exposição, saturação, fade e etc. E isso vale a pena dar uma fuçada porque como já disse, cada aplicativo responde de um jeito. Alguns destroem mais as fotos e outros menos. O VSCO pra mim, durante muito tempo, foi um dos aplicativos que mais usei – e uso – mas ultimamente tenho substituído ele por alguns outros – mesmo admitindo que ainda o acho mais completo do que vários deles.

Sem dúvida nenhuma ele é um aplicativo indispensável pra você que vive perguntando qual o app. Com certeza tem um custo vs. benefício bem satisfatório e vai realmente dar uma outra “cara” para as suas fotos. Mas torno a lembrar: se a foto for ruim de “nascença”, não tem app que salve haha.

Foto 20-04-15 23 56 29
E outro aviso: não adianta colocar um filtro em cima do outro também porque isso só vai destruir mais ainda a tua foto. Tenho uma teoria pra mim que se eu demoro mais do que 5 minutos editando a mesma foto, é porque a foto tá ruim… então bora fazer outra melhor haha.

As coisas que acho válido mexer pelo VSCO: adicionar algum filtro específico que você goste, fazer o crop, mexer nas luzes altas e baixas e arrumar a nitidez.

Enfim, fica de olho aqui que semana que vem tem mais (assim espero hehe) ;)

34 sentenças estranhas que chegaram até aqui…

Captura de Tela 2015-04-23 às 15.13.11

Lembro que de tempos em tempos eu fazia uns posts mostrando algumas buscas que fazem no google e que chegam até esse meu blog aqui… e seilá, me deu uma saudade… e por curiosidade resolvi dar uma checada no que a galera tava pesquisando e caindo aqui. Claro que acabei me surpreendendo e lá vou eu citar e comentar os mais bizarros (é sempre uma diversão garantida, pelo menos pra mim).

Fiz uma pesquisa do último ano (porque tenho quase certeza que não fiz um post desse de um ano pra cá), então aí vão as pérolas:

“quero baixar um android sem ir para o site nem nada mas voceis estao me bobiando mas para telefone isso e de telefone” – cara, sinceramente eu não entendi nada do que essa pessoa tá querendo da vida. Quer dizer, até sei que ela quer baixar um android, mas que tipo de android será? foi mal, não imagino como você tenha caído aqui nesse blog com essa busca, mas pelo visto se frustrou. (como sempre a galera acha que o Google é um oráculo né? digita tudo que vem na cabeça e taca o foda-se, o que aparecer é lucro).

“a banda charlie brown jr ja saiu na revista rolling stones” – Olha, vamos por partes. Rolling StoneS (com S no fim) é a banda… a revista é sem o S, ou seja, Rolling Stone. Segunda parte: com certeza sim… e felizmente, ou infelizmente, você chegou aqui porque eu fui o dono da foto da capa quando a revista falou sobre a morte do Chorão. Ok, ponto pro google… aliás, contei tudo como foi esse episódio nesse post aqui desse blog – quem tiver curiosidade, só dar uma pesquisada.

“frases de que ela esta indo embora mas ela des que votava” – Leiam direito essa frase, sério. Imagina a pessoa procurando uma frase de alguma mina dizendo que foi embora mas que VOTAVA. “Aí ó, eu to indo embora hein…mas eu VOTO!“. Tá, eu entendi que era “indo embora mas ela disse que voltava” … mas né? escrever certo numa procura é primordial, e se possível, resuma a sua pesquisa em: frases de despedida. Talvez os resultados sejam mais satisfatórios ;)

“mx zero qu e cesinha” – Rapaz, que confusão. Alguém suspeita o que essa pessoa quis saber com essa pesquisa? Pelo menos chegou no meu blog né? Mas sério… que tipo de pesquisa foi essa? hahaha. Google, você é um gênio.

“o melhor dia da minha vida redação” – Ó o futuro da humanidade aí. A pessoa provavelmente tinha que fazer uma redação falando sobre o melhor dia da vida DELA, e ao invés de falar realmente do dia da vida dela, o que ela fez? pesquisou a vida de outra pessoa. Sim, existe um post meu com esse nome aqui… agora a pergunta é: será que o que eu escrevi virou redação pra ela? haha. QUE FASE!

“galaxy camera samsung pode instalar app” – Pode! Aqui tem…

“botao de off cade você?” – Boa pergunta. Se o google te indicou que a resposta poderia estar no meu blog, então isso quer dizer que eu tô quase descobrindo né? Tá, mas o que você quer desligar?

“efeitos em foto bombados para arruma na camera” – Eita, e agora? Mais um mistério para desvendar. Qual é o efeito mais bombado aí do momento? Como arrumo ele na câmera? Ê mundão bão de se viver…

“fotos da orfã,ela mesma pessoalmente” – Sério, por que esse tipo de pesquisa e por que caiu aqui no meu blog? Quando eu acho que já rolou a pesquisa mais esdrúxula, sempre aparece uma maior.

“facebook de cimento e cesinha” – E agora, o que pensar sobre essa? Tá vendo, sempre pode piorar!!

“depois de um mes q fiz luzes eu losso fazer as luzes invertidas” – A galera realmente acha que o Google é um oráculo, que ele entende perguntas mal redigidas e tudo mais. Sério, não vão inventar nunca uma aula pra essa mulecada sendo o tema “como fazer pesquisas na internet?”. Isso já devia ser matéria obrigatória. E ó, te respondendo: Acho que vc LODE tudo, basta querer.

“um dia nesses vai me preocura não me acha” – É, e um dia “n”esses você vai tentar pesquisar algo no google e não vai achar também… que tipo de pesquisa foi essa, rapaz?

“interpretação vai me ver com outros olhos ou com os olhos dos outros” – Essa a gente vai ter que interpretar bastante mesmo, porque olha…

“achar arquivos do cesinha nesse celular” – Será que são arquivos meus? No celular dessa pessoa? Uau, que perigo haha.

“nada ta fasio peu tenho qui luta pa te tudo uqui eui quero” – Nada é fásio memo tá ligadu? A vida é mó corerria tiu. Tem qui luta pa consegui as coiza tudo certo?

“aplicativo de foto para foto como se a alma estivesse saindo” – Assiste um filme aí chamado ESPÍRITOS – A MORTE ESTÁ AO SEU LADO, aí depois você vai ver que nem precisa de app nenhum não. Rola direto isso aí.

“quando tiro foto meu olhos nao falo fiam simetricos” – Teus olhos não falam ou não ficam simétricos? Vamos por partes: Falar geralmente é a boca que fala… e em questão de simetria, vish, vamo nascer de novo?

“nome cesar em forma do google” – Designers de plantão, vamos ajudar o menino aí?

“o que responder quando perguntam o que vc ta fazendo?” – Essa se bobiar é a pergunta mais difícil hein… nunca pensei nela antes :/

“a iminência da internet cesar ovalle” – Existe uma internet chamada César Ovalle ou eu entendi errado? Que coisa louca… me ajudem.

“cesar ovalle qual modelo de iphone” – Que eu uso ou você queria saber um modelo que eu gosto? Os que eu usei são: o de agora é um 6. O de antes um 5. De antes do 5 um 4S… e antes ainda rolou um 4. E antes do quatro um 3GS… e antes do 3GS eu tinha um iPhone normal, o primeirão. E fim.. essa foi a minha escala nos iPhones até hoje.

“dicas foto no instagram cesinha” – Chegou no lugar certo, assina o blog aqui que sempre aparece umas dicas.

“como repetir o melhor dia da sua vida” – DeLorean… (não entendeu? pesquisa no google)

“voar voar subir cesinha” – Misturar meu “nome” no meio de uma música do Byafra? Eita… vamos lá, o certo não seria: voar, voar, subir, subir?

“o’que eu tenho que fazer para ser indicado no instagram?” – Ter um feed bom, com boas fotos… mas não adianta só você e seus amigos acharem elas boas, entende?

“se afastar do insta para aprender” – Isso aí, mó má influência esse tal de insta aí… se afasta que é melhor.

“cesqr ovalee” – Hmmm, errou hein?

“sony mirrorless” – Não fiz nada com a Sony ainda, mas quem sabe?

“eu tenho pressa e não tenho a vida toda” – Né? Mesmo porque ninguém sabe quanto tempo é a vida toda. Então vamos correr…

“fon de puta de sao jose dos csnpos con fotos” – Tá na seca hein amigão?

“o que significa icone se referindo a fotos em celulares” – Pois é, o quê?

“como que fala em engles oq vc esta fazendo” – Esse tá sabendo direito até o nome da língua que tá procurando entender…

“essa foto resume minha vida eu sou o cara de azul lá no fundo facebook imagens” – Boooua, tá bonitão mesmo de azul, é nóis!

E com essa pesquisa, eu termino tudo isso aqui… #chupamundo:

“o’que significa falar de mim è fácil,quero ver encontrar um melhor do que eu!” – Você ainda tem alguma dúvida nisso? FUJAM PARA AS COLINAS, O MUNDO ESTÁ PERDIDO… NINGUÉM SABE MAIS INTERPRETAR NADA…

___________________

E pra quem ainda não me tem em todas as redes, aí vão elas:

Facebook || Instagram || Twitter || Snapchat : cesarovalle

Qual o app? – Snapseed

Bom, como prometido, aqui estou eu começando a listar os aplicativos que mais uso nas edições de imagens das minhas fotos feitas com o celular.

O primeiro deles, como diz no título do texto, é o Snapseed.
Muitos devem fazer a tão cobiçada pergunta agora que é: é de graça? Sim, esse é – mas não se acostume pois isso não é algo normal nesse mundo de aplicativos para edições fotográficas.

Enfim… o Snapseed é um aplicativo que surgiu há alguns bons anos atrás, e se não me engano, foi um dos primeiros mais completos que existiu, feito ainda pela Nik Software. Logo depois acabou sendo adquirido pelo Google e praticamente estacionou no tempo. Rapidamente foi ultrapassado por outros e ficou lá largado num limbo… mas confesso que nunca deixei de usar (tá, por uns tempos esqueci dele realmente, mas logo depois voltei atrás haha). Não sei explicar realmente qual é a minha relação com o aplicativo, mas acho ele muito fácil de mexer e com resultados bem satisfatórios, talvez por isso eu to sempre utilizando ele nas minhas fotos.

Há alguns dias atrás ele teve uma atualização que pra mim foi essencial, colocando ele novamente no jogo da coisa toda. Muitos que já haviam abandonado o aplicativo começaram a cobiçar a sua volta – e sim, vale a pena mesmo.

Filters

O Snapseed adicionou algumas ferramentas como:
– Tonal Constrast;
– Lens Blur;
– Intelligent Perspective Transform;
– Spot Repair (healing).

Dentre essas novas ferramentas, a que mais chama a atenção é a correção de perspectiva inteligente, que geralmente você só vê em aplicativos mais específicos (para desktop) como o photoshop por exemplo.

Com o Snapseed 2.0 a edição não-destrutiva é uma prioridade, e um novo recurso de camadas permite você re-editar qualquer foto ou desfazer as alterações que você fez anteriormente. Agora você pode também copiar edições de uma imagem para outra, acelerando assim, o seu fluxo de trabalho –  isso se há certas edições que você gosta de repetir regularmente.

Muita gente sente dificuldade em utilizar o Snapseed, mas você sabendo que a cada efeito selecionado você tem algumas variáveis para mexer, irá ficar mais fácil. Você tem que deslizar o dedo verticalmente para escolher as opções dentro de cada efeito, e para modificá-los, é só mover o dedo na horizontal, aumentando ou diminuindo o mesmo. Nada que uma bela “fuçada” não resolva.

Filters2

Esse então é o primeiro aplicativo que indico e que sem dúvida é um dos que estão sempre nas minhas edições… seja para um simples “tapa” ou para algo maior a ser feito numa foto. Vale a pena dar uma fuçada nele e já ir escolhendo o que ele pode oferecer de melhor para as suas fotos.

Aliás, isso é uma coisa que conta muito, você saber qual aplicativo é melhor para o quê. Nem sempre os efeitos de um são iguais aos do outro – até mesmo os básicos como brilho, contraste, fade e etc… Você precisa saber qual entrega para você a melhor qualidade, e isso é pessoal e intransferível (hehe). Há aplicativos que o fade é melhor, há outros que o sharp (nitidez) é melhor, mas isso aí é de gosto e cada um tem que decidir o seu. Agora vai lá, baixe o snapseed e decida o que ele pode te trazer de bom – ou não. Bom divertimento e boas edições!

 

Qual o app?

ACEITA UMA IDEIA AÍ?

Quase que diariamente recebo perguntas no meu Instagram sobre aplicativos e tudo mais… mas a campeã e já tão conhecida e famosa “qual app?” é a que mais aparece mesmo.

Bom, pra poder falar um pouco sobre isso é necessário muita paciência, na real, é necessário também a paciência para ficar lendo insistentemente esse tipo de comentário haha.

Mas vamos por partes…
Uma coisa é certa: um aplicativo não vai transformar todas as suas fotos ruins em boas. Dito isso, comecem a treinar mais o olhar e entender mais sobre fotografia, para assim, depender menos dos aplicativos e seus filtros mirabolantes.

Pra não me estender muito nesse assunto, mesmo porque ele não teria um fim, o resumo é: um aplicativo de tratamento de imagem no celular serve para dar um “tapa” na foto, não para pegar uma foto já ruim e mal tirada e transformá-la numa obra prima, portanto, SEMPRE temos que nos preocupar mais com o enquadramento, com o que você quer passar com a foto, com algumas técnicas e menos com qual filtro você vai usar.

Claro que depois de já ter algum domínio e conhecimento da área, um filtro bem escolhido e bem editado vem para acrescentar e valorizar (bem) sua foto, mas calma, um passo de cada vez.

Vejo muita gente usando filtros a torto e a direito sem parcimônia alguma, achando que é só juntar 3 ou 4 filtros um em cima do outro e uau, ficou surreal! Realmente deve ficar surreal, mas um surreal ruim e sem sentido.
O bom gosto e o conhecimento estético está estritamente ligado à fotografia. Quem estuda ou estudou fotografia sabe muito bem disso. Se estuda as cores, a história da arte, se estuda muita coisa e esse monte de coisa faz parte do manual para uma boa fotografia – pelo menos esteticamente falando.

Tentando fechar o assunto de um jeito mais tranquilo, eu diria que não adianta querer dar dois passos na frente, você precisa dar um de cada vez mesmo… não tem jeito.

“Ah mas eu não quero estudar fotografia”, ok, você está no seu direito… mas aí também não vai querer exigir fotos muito boas feitas por você né? Mas faz parte… cada dia que passa vejo mais esse tipo de gente surgindo… aqueles que nunca estudaram, não sabem nenhuma teoria sequer e já estão ali se intitulando fotógrafo (mesmo que de celular). Uma dica pra vocês: parem de ser assim.
E olha, isso não serve só pra fotógrafo não, tá? É pra qualquer profissão mesmo.

Tá, mas aí você me pergunta onde eu quero chegar com esse texto. Enfim, onde eu quero chegar é: nos próximos posts vou dar uma indicada aqui em alguns aplicativos que acho interessante e tenho usado bastante.
Mas por favor, não seja mais um desses aí que descrevi no texto… mesmo porque se você for, não vai adiantar nada baixar todos os aplicativos ;)

É proibido ficar parado.

10946326_620520254761508_106313235_n

Eu gosto de mudar.

Seja de lugar, de gosto, de visual, de câmera, de lente, de cidade, de, de, de…
Acredito que se você não muda, você não evolui. Ficar parado no mesmo lugar talvez não leve você a lugar nenhum… e quando eu digo parado, é um parado que pode até ser em movimento… mas o que adianta se movimentar e fazer sempre as mesmas coisas?

A vida é como se fosse um jogo que você já terminou mas dá reset só pra tentar terminá-lo de outra maneira… (antigamente os jogos não permitiam 2 ou 3 fins, hoje em dia é uma infinidade de maneiras). Se até eles mudaram, por que você ainda não mudou também?

Eu gosto de mudar. Gosto de colocar tudo dentro de uma caixa e ao tirar as mesmas coisas da caixa, saber que aquilo ali representa um novo começo.

E por falar em mudança, lá vou eu me mudar de casa mais uma vez… afinal de contas, é proibido ficar parado.

Estamos no começo de algo muito bom…

capa_ep_800

A minha vida anda conforme a música, e isso é literalmente falando mesmo.

A grande maioria sabe que meu trabalho é 70% movido pela música e para a música, então essa frase é a que mais faz sentido para mim sempre. Outra grande maioria também sabe que trabalho com o NXZERO desde 2007 (oficialmente desde 2008) e praticamente tem sido essa a minha vida desde então. Claro que já fiz um monte de trabalhos paralelos – com bandas ou não – mas o que me move mais sempre foram eles. Arrumo a minha agenda com a deles, altero minha correria conforme os shows deles pedem e etc.

Dito isso, fica claro que o que acontece com a banda, acontece comigo também… é tudo um link só. Se mudam algo, tenho que mudar também, se algo acontece com eles, indiretamente acontece comigo também e assim por diante. Estamos no mesmo barco e o destino é sempre o mesmo.

Mas enfim, o que eu vim contar aqui hoje é sobre uma fase que vivi no ano passado e que desde o dia 4 desse mês de março começou a ser divulgada no canal do youtube deles.

Era fevereiro de 2014 e eles tinham resolvido gravar um disco de uma maneira diferente. Já estavam esgotado daquela velha maneira de fazer as coisas, de ter prazos para entregar discos, músicas e enfim… precisavam se reinventar – em outras palavras. Escolheram uma casa pra alugar (a mesma onde tínhamos feito o clipe de “Hoje O Céu Abriu”) e decidiram que ali seria gravado o novo álbum, todo ao vivo. (obs: pra quem não sabe o que é gravar ao vivo, é quando todos os instrumentos tocam juntos e somente a voz é gravada separada depois. Normalmente os discos não são gravados assim, mas sim instrumento por instrumento, sem serem todos juntos tocando ao mesmo tempo).
No ar rolava um cheiro de mudança, de dificuldades pessoais misturada com uma vontade de fazer algo extremamente genuíno. Era um momento delicado onde estavam saindo da gravadora, e pela primeira vez, produzindo um disco sozinhos… enfim, era um mundo todo já vivido anteriormente porém sem a bagagem dos dias de hoje. Era realmente uma página virando e um capítulo novo começando.

Não me lembro exatamente quantos dias ficamos lá… sei que cheguei uns 2 ou 3 dias depois deles e já haviam quase que terminado uma música (se não me engano foi “Tira Onda”). Cheguei no dia 10 de fevereiro de 2014, e dia 11 eu completava meus 34 anos. Mais um aniversário passando ao lado deles – e com eles (vide capítulo 2 do documentário).

Foram dias produtivos e outros nem tanto, mas tenho certeza que foram essenciais para a banda se ajustar e colocar algumas coisas no lugar. Decisões foram tomadas, um rumo novo surgia e o mais importante: havia um brilho e uma esperança nova no olhar de cada um.

Só saíamos da casa para ir ao mar e às vezes jantar em algum lugar… e claro, quando havia algum show no final de semana também, mas já voltava direto para a casa novamente.

Todos os dias acordávamos, tomávamos um café e lá pelas 14h da tarde começavam a se reunir para entrar na sala e tocar alguma coisa… e gravar, obviamente. Tinha dias que tudo fluía bem, em outros nem tanto.
Esse período todo que fiquei por lá captei fotos e vídeos para documentar toda essa nova fase. Não tínhamos ideia do que faríamos com esse material, mas tínhamos a certeza de que documentar aquele momento era importante. Tá, não vou mentir, tínhamos algumas ideias mas todas sem nenhuma certeza, mesmo porque, nem a banda sabia mesmo onde tudo aquilo iria dar.

Os dias não pararam de passar e talvez o plano não tenha saído como estava no papel, mas saíram de lá com algumas músicas prontas para um disco novo… e direto para umas férias de uns 20 dias.
Passado esses dias, um disco que já estava bem encaminhado já não fazia mais muito sentido com as coisas novas que estavam na cabeça de cada um, ou seja, e agora?

Mais algum tempo foi dado para todas as ideias ocuparem seus devidos lugares e tudo mais, até que tempos depois, decidiram que esse material da casa da praia iria dar vida a um EP para deixar marcada essa fase de transição, e posterior a isso, construir um novo disco novamente já com essa nova base que estavam formando: novos rumos, novas ideias e novos ares literalmente.
Dito e feito, no fim de 2014 saiu o EP de nome gigante mas que faz todo jus ao momento, com o single de “Vamos Seguir” nas rádios.
O clipe do single, que também dirigi, foi um apanhado de sobras de outros clipes da banda com adição de imagens de estrada, shows e etc… um material inédito e que fazia bastante sentido para o teor da letra da música e do momento da banda. Lembro que levei meu computador para a casa do Lê (onde estavam diariamente ensaiando e compondo novas músicas para o novo disco) e praticamente morei lá durante uma semana pra finalizar esse clipe junto com todos. E no mesmo momento em que esse processo do clipe existia, estava eu também fechando a arte do EP em questão com eles… decidindo capa, dirigindo a arte toda e enfim, foi literalmente uma correria boa.

Como nem tudo nessa vida sai como a gente planeja, algumas coisas se atrapalharam. Burocracias e mais burocracias impediram de tudo sair antes, mas estávamos lá, fazendo tudo nós mesmos e sem precisar do OK de ninguém. Éramos só nós e nós mesmos.

Creio que esses 3 episódios divulgados no youtube deles seja um resumo bem amarrado do que foi essa época e o que tudo aquilo representou. Talvez represente mais para mim e para a banda do que pra qualquer outra pessoa, mas acredito que dê para sentir mais ou menos isso tudo – mesmo olhando de fora.
A maestria em decupar todo o material e colocar uma ordem nisso tudo ficou por conta do grande amigo Otavio Sousa, que na maior paciência do mundo, assistiu todos os gigabytes de material e juntou todo o quebra-cabeça. Bendita foi a hora que eu estava todo ocupado com a arte do EP e com o clipe de “Vamos Seguir”, pois foi nesse turbilhão de afazeres que o nome dele foi cogitado para trabalhar nesse projeto, e pra mim, foi quem salvou isso tudo – senão iria demorar muito mais pra sair.

Passado tudo isso, acredito que agora eu posso dizer que essa fase foi talvez uma das mais importantes para a banda – e pra mim também, pois paralelo a isso aconteceram coisas que tive que optar e acredito eu que optei pelo caminho certo. Não vem aqui ao caso, mas sim… tive insônias e mais insônias para lutar contra…

Agora, respirando um pouco melhor e mais fundo, posso dizer que as coisas de lá pra cá tem se acertado, e o que eu posso dizer é que se por algum momento alguém achou que tudo acabou, posso garantir que está bem enganado. Tudo ainda vive e está a milhão, mas dessa vez estamos tentando subir o morro sem precisar parar para respirar.
Quem estiver ao lado vai ter que correr pra tentar acompanhar… e eu espero mesmo que ainda sejam muitos os que aguentam o tranco. Aguardem!

Documentário: “Estamos no começo de algo muito bom, não precisa ter nome não”

Falando sobre… (Samsung NX300M)

Bom, como eu havia prometido, vamos falar agora da Samsung NX300M, que pra quem chegou atrasado, no post anterior eu dei uma breve introduzida no porque disso tudo. Então se você tá pegando a história pela metade, volta ali no post anterior e dá uma geral que aí fica mais fácil entender ;).

Como eu também já disse, na viagem eu levei basicamente as duas câmeras da Samsung, a Galaxy Câmera 2 e a NX300M. Pra você que não sabe, a NX300M é uma câmera mirrorless (do inglês, sem espelho), que é uma câmera mais compacta e que possui lentes intercambiáveis.

Dito isso, vale lembrar que levei 3 lentes com ela: 50-200 4/5.6, 18-55 3.5/5.6 e uma 16mm 2.4 (gostaria de ter testado outras como a 30mm 2.0, a 45mm 1.8, 85mm 1.4, a 12-24mm 4/5.6, maaas, não tinha em mãos hehe).

samsung-nx300m-systeemcamera-zwart-16-50-pz_5_

Quando peguei ela pra testar antes de ir viajar eu já tinha achado alguns bons pontos positivos, como o peso e a funcionalidade. Se você já tem alguma experiência com as DSLR, não vai ter problema nenhum manuseando ela. É tudo muito instintivo e tranquilo de entender. Caso você seja um marinheiro de primeira viagem, aí ela vai te servir como uma boa introdução para uma futura DSLR (se você um dia quiser/precisar de uma). Mas voltando a falar do peso, para mim era essencial que tudo fosse bem fácil e leve para carregar, afinal de contas, a viagem era quase que 90% do tempo a pé e com o peso nas costas – e esse foi um dos grandes motivos para eu não ter levado absolutamente nada do que eu tenho da Canon.

Para a galera que gosta das especificações, ela tem um sensor APS-C (que aliás muitas DSLR’s por aí usam também) com aproximadamente 20.3 Megapixels. O ISO dela vai de 100 a 25600 e a velocidade máxima do obturador é de 1/6000.

A tela tela é touch de AMOLED e tem uma boa movimentação, facilitando bastante a visão em alguns ângulos mais difíceis.

samsung-nx300m-2013-10-07-02

O que mais me chamou a atenção foi a velocidade que ela crava o foco, é realmente surpreendente para uma mirroless assim, mesmo porque a minha comparação é com a minha outra mirrorless, que é uma EOS M da Canon, que por vez, tomou um baile nesse quesito.

Um outro ponto forte dela é o drive, que faz até 8.6 fotos por segundo (em JPG ou RAW). Aliás, isso também é importante dizer, ela também fotografa em RAW e não somente em JPG.

Existem nela vários modos programados para still (e efeitos também), como para retratos, paisagem, macro, panorâmico, pôr-do-sol e etc… Confesso que não utilizei nenhum pois sou acostumado a fotografar no modo manual, mas pode ser que ajude bem em algumas situações para os mais leigos.

Entrando no assunto de vídeo, mais uma vez eu não utilizei a câmera para esse fim, e o motivo é o mesmo: não trabalha com 24fps em full hd. A única opção que ela faz 24fps é em 1920×810. Mas enfim, para quem tem curiosidade, ela grava também em 60fps e 30fps e 15fps. Mas cada uma com uma limitação e não vou saber dizer direito quais são. O codec que ela usa é o H.264, o mais usado aí pela grande maioria de câmeras desse porte (incluso as DSLR).

Possui Wi-Fi, o que é bem importante hoje em dia, e também possui o sistema NFC. Se o seu celular for um Samsung, melhor ainda. Vai transferir suas fotos bem facilmente. Mas com o Wi-Fi já dá pra fazer todo esse serviço também. Há aplicativos para serem baixados tanto em Android quanto para iOS para fazer essa conexão. Dá para sincronizar até seu iPhone com ela e aí todas as fotos que você tirar com ela, vão automaticamente para o seu celular.

Sobre a vida da bateria, eu achei que ela consome bem mais do que a da Galaxy Camera 2 por exemplo… digamos que cheguei quase a ficar na mão com ela umas 2 ou 3 vezes. Realmente não dá para ter só uma bateria, você vai precisar ter uma reserva ou quem sabe até 3 dependendo de como for a tua relação com a câmera.

Há a possibilidade de encaixar um flash externo nela, que vende separadamente, e isso pode te ajudar bastante também em algumas situações de baixa luz e que você não pode deixar de tirar aquela foto (ok, selfie também tá valendo hehe).

As lentes que utilizei, apesar de eu achá-las escuras, se saíram bem. O sharp é bem aceitável e são bem leves também. Não sei dizer se são muito resistentes pois em nenhum momento deixei alguma cair ou sofrer algum dano, mas caso alguém tenha alguma história, conta aí hehe.

58474

Como disse anteriormente, gostaria muito de ter testado as lentes mais claras, pois realmente as que estavam comigo já me surpreenderam, então creio que com as outras o resultado seria até melhor (ao meu ver).

Na hora que descarreguei as fotos eu senti que realmente tinha um produto de qualidade, pois realmente as fotos eram entregues de uma maneira ímpar. Poucas são as câmeras que te entregam uma foto em JPG com resolução acima de 300dpi, e ela te entrega com 350dpi (com tamanho de 5472 x 3648).

Não vou conseguir colocar as fotos em tamanho real por aqui, mas acreditem: a qualidade é realmente bem alta e satisfatória.

O preço dela eu sei que varia de R$1700,00 a R$2500,00 mais ou menos, mas também é uma coisa que você vai precisar pesquisar. As lentes eu realmente não sei dizer o preço médio, mas a internet está aí pra isso né? Vamos usar hehe.

Essa são algumas fotos que fiz com ela no modo manual, todas na melhor qualidade do JPG (não do RAW) e todas as fotos SEM tratamento algum (elas foram apenas redimensionadas para não ficar tão grande aqui no blog. Se quiser clicar nelas, dá pra ver um pouco maior):

SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC
SAMSUNG CSC

E essas duas aqui são as que eu acabei postando no Instagram… lembrando que nunca posto fotos de câmeras por lá, mas essas foram algumas exceções e foram sinalizadas na época:

1168496_1539957819549515_1544894760_n
10707073_1517804958465193_2014789129_n

O que eu posso dizer de tudo isso é que com toda a certeza foi uma câmera que me surpreendeu muito, e que agora substituiu tranquilamente a minha EOS M da Canon. A única desvantagem é que não consigo usar as minhas lentes todas da Canon nela, mas, ok… não dá pra se querer tudo também (na real existe uns adaptadores por aí, mas nunca testei, então não posso dizer sobre). Muitas vezes saio só com ela por aí e já me satisfaz com maestria meus requisitos básicos (e até os não-básicos). Então se você tá procurando uma mirrorless com preço justo pra investir, acho que a NX300M pode ser uma bela alternativa pra você.

Dê mais uma pesquisada, ache algum amigo que tenha, experimente, procure novas opiniões… mas a minha é essa aí mesmo.

Beijos, abraços e até a próxima!